Nancy Wake: Enfermeira, Jornalista, Rebelde, Espiã e Dura na Queda!


Como podemos resumir Nancy Wake? Bem, ela era um beberrona¹, dura na queda no combate corpo a corpo, espiã, sabotadora, figura importante da resistência francesa, resistiu a interrogatórios pesados sem entregar nenhuma informação, teve uma recompensa de 5 milhões de francos por sua cabeça e matou um soltado com as mãos nuas (sim, na base da porrada mesmo). 

Heroínas Esquecidas: Nancy Wake: O Rato Branco!


Nancy nasceu na Nova Zelândia é era a casula de 6 irmãos, aos 16 anos fugiu de casa para trabalhar como enfermeira, logo depois como jornalista para varias jornais na Europa onde também se casou com um rico industrial francês chamado Henri Edmond Fiocca. Por causa do trabalho como jornalista ela acabou vendo de muito perto a ascensão de Hitler e do partido nazista, e quando presenciou gangues nazistas empancarem homens e mulheres judeus sem nenhum motivo aparente em Viena decidiu que iria se opor ao nazismo.

Em 1940 quando a Alemanha invadiu a França Nancy se juntou a Maquis (resistência francesa) como mensageira, em referencia a sua habilidade de se esgueirar, enganar e de iludir os seus capirotes a Gestapo (policia secreta nazista) lhe apelidou de rato branco. Nancy também começou a resgatar os pilotos² capturados da Royal Air Force (unidade aérea do Reino Unido) e os levava de volta para Gran-Bretanha.


O rato branco deu tanta dor de cabeça para a Gestapo que ela foi parar no todo da lista dos mais procurados, chegando a ter um recompensa de 5 milhões de Francos por sua cabeça. Em 1943 a Gestapo descobriu o paradeiro dela e deram inicio a uma caçada, para fugir ela chegou até a pular de um trem em movimento mas foi baleada e presa. Ela foi torturada por 4 dias e os policias não conseguiram arrancar nem ao menos o nome real dela, então ela foi liberada por falta de provas.

Ela foi para Londres e descobriu que o seu marido havia sido capturado, torturado e morto na França, mas ela ganhou uma oportunidade de vingança. A Executiva de Operações Especiais (órgão britânico de inteligencia da época) a recrutou devido a sua enorme fama e a treinou em espionagem e sabotagem. No ano seguinte pulou de paraquedas para retornar a França e se juntou novamente a Maquis e em menos dois meses se tornou um oficial de alta patente.


"Eu nunca tinha visto ninguém beber assim, e não acho que os maquis ou tinham. Nós só não conseguimos descobrir onde tudo aconteceu." - relato de uns do integrantes da Maquis
A Maquis se confrontou com a Schutzstaffel, grupo paramilitar nazista mais conhecido como SS, ela contava com 22.000 soldados já a Maquis apenas 7.000, entretanto a SS sofreu 1.400 baixas contra apenas 100 da Resistência nos confrontos.

Quando a guerra acabou Nancy trabalhou em algumas agencias de inteligencias e tentou seguir a carreira politica, mas não obteve exito em suas tentativas. Ela também se tornou a mulher mais condecorada na Segunda Guerra Mundial, mesmo recusando varias medalhas. Veja abaixo:

Fonte: Wikipédia

Ela se re-alistou no exercito após de casar em 1957 e se aposentou em 1985, neste mesmo ano Nancy publicou sua autobiografia, The White Mouse. O Livro se tornou um bestseller e foi reimpresso diversas vezes.

Umas das diversas capas que o livro recebeu em seu relançamento.

Wake faleceu na noite do dia 7 de Agosto de 2011, aos 98 anos, no Kingston Hospital em Londres após dar entrada com uma infecção no peito.


Obs.¹: Nancy Wake desde nova sempre teve fama de beber muito, habito que ela manteve mesmo depois da idade avançada.

Obs.²: Nancy salvou pelos menos 200 pilotos, ela se utilizava da fortuna do marido desaparecido para bancar cartões de identificação, identidades, roupas, transportes e subornos para ajuda-los.

A história de Nancy foi contada num filme de 1987, Nancy Wake, lançado como True Colors nos Estados Unidos. Veja o trailer abaixo:


O romance de 1999, Charlotte Gray (Paixão Sem Fronteiras aqui no Brasil), do autor Sebastian Faulks foi baseado nos esforços de guerra de Wake. Trailer abaixo:


Esse post faz parte da serie que o Aprenda a Valorizar está fazendo: Heroínas Esquecidas.
Leia também sobre Gisella Perl - Uma medica de Auschwitz!


Fontes: Wikipédia, Badassoftheweek, All-that-is-interesting e BBC

Unknown

Colaborador do AAV. Tem uma grande paixão pelo blog mas vive não conseguindo deixar os posts em dia!

Comentário(s)